quinta-feira, 28 de abril de 2016

Presos em MG produzem até 400 caixas de legumes por mês

Mexer com a terra, ver nascer, trabalho com a vida, tudo isso mexe com a alma das pessoas, presídios como estes de MG e de AM deveriam ser norma e não notícia. Quem sabe em um futuro próximo não é? Nota de Nadia Cozzi.

O presídio tem atualmente 300 homens e mulheres trabalhando interna e externamente.
5 de November de 2015 





A variedade de alimentos é cultivada pelas mãos de 25 presos. | 
Foto: Omar Freire/Imprensa MG

Se alguém lhe disser que um local em Minas Gerais produz 400 caixas de legumes e hortaliças mensalmente, além de plantas medicinais e aromáticas, você nunca imaginará que a pessoa está descrevendo a capacidade de produção de uma cadeia, onde trabalham 25 presos.

Pois é este o cenário do Presídio Professor Jacy de Assis, em Uberlândia, no Triângulo Mineiro. Rúcula, alface, couve, repolho, espinafre, brócolis e canteiros de maracugina, erva-cidreira, capim-santo, hortelã e cebolinha são algumas das espécies cultivadas. Toda essa variedade é cultiva pelas mãos de 25 presos.



Rúcula, alface, couve, repolho, espinafre são algumas das espécies cultivadas. | Foto: Omar Freire/Imprensa MG
Do outro lado do muro, 30 mulheres fabricam calças e bermudas do uniforme do sistema prisional de Minas Gerais, que são encaminhadas para o Almoxarifado Central em Belo Horizonte. A produção chega a 2.250 peças por mês.

Os detentos em atividades produtivas e de prestação de serviços não se resumem a estas duas atividades. O presídio tem atualmente 300 homens e mulheres, em trabalho interno e externos nas áreas de limpeza, manutenção e obras.



30 mulheres fabricam mais de duas mil peças mensalmente. | Foto: Omar Freire/Imprensa MG

“Nasci no mato e no final do ano, quando me aposentar, volto para o campo. Esta horta é minha paixão e ela tem poderes para mudar a vida de muitos homens. Ninguém consegue passar por aqui e ficar imune a transformações”, diz o agente penitenciário José Francisco Pereira dos Santos, de 61 anos, que trabalha na unidade desde a inauguração, em 1999. É dele a responsabilidade de coordenar todo o trabalho.

Os alimentos são vendidos para a empresa fornecedora de refeições para o presídio, cuja capacidade é de 940 vagas e está com aproximadamente 2.100 presos. Em épocas de chuva, a água que escorre pelo telhado do depósito de ferramentas e é direcionada, por um encanamento, para um reservatório situado perto da estufa de mudas.

Redação CicloVivo




E boas ideias proliferam: Veja também

Presos no Amazonas cultivam horta para garantir os próprios alimentos
A ideia é incentivar o cultivo orgânico e também o trabalho e as atividades que ajudam na recuperação dos detentos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui seu comentário!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...